Introdução à História e Filosofia da Ciência

Disciplina

Dados da disciplina

Código: BMQ834

Carga horária: 45 horas

Período: 04/04/2019 a 06/06/2019

Horário: 09:00 às 13:00 - quintas-feiras

Vagas: 40

Descrição

Propiciar ao pós-graduando oportunidade de conhecer e refletir sobre a formação da ciência e das contribuições tecnológicas a partir de informações básicas e introdutórias sobre a História e Filosofia da Ciência, tendo como percurso a formação da Ciência na modernidade até o momento presente.

Justificativa

Atender aos objetivos da Pós-graduação, que além de formar o pesquisador, objetiva sua formação crítica, reflexiva, ética e cultural no que tange a problemas de natureza histórico-social inerentes à atividade científica.

Conteúdo (aulas)

1. Introdução aos estudos de história e filosofia da ciência.

 

Módulo I – História da Ciência

2. A (R)evolução científica (séculos XVI e XVII).

3. As Ciências no século XVIII. 

4. A contribuição da evolução tecnológica e influências recíprocas entre ciência & tecnologia.

5. A profissionalização e institucionalização das Ciências (séculos XIX e XX).

 

Módulo II – Filosofia da Ciência

6. A herança moderna no pensamento sobre a natureza da ciência (cartesianismo e kantismo).

7. A concepção científica de mundo do círculo de Viena (positivismo lógico).

8. A reação ao modelo de ciência do positivismo lógico.

9. A geração historicista (Kuhn, Laudan, Feyerabend, Lakatos) e seus desdobramentos. 

10. Encerramento do curso.

Requisitos

Nenhum.

Estrutura do Curso

Aulas Teóricas.

Forma de Avaliação

Ensaio entregue ao final do curso.

Bibliografia

Serão selecionados textos, capítulos de livros e artigos para leitura nas aulas.

 

1. Manifesto: A concepção científica do mundo: o círculo de Viena. 1929.

2. Bacon, F. A sabedoria dos antigos. São Paulo: Editora da UNESP, 2002.

3. ______. O progresso do conhecimento. São Paulo: Editora da UNESP, 2007.

4. Entralgo, P. L. Técnica y humanismo en la formacion del hombre actual. In: Ciencia, técnica y medicina. Madrid: Alianza   editorial, 1986. (pp. 161-173).

5. Butterfield, H. As origens da ciência moderna. Rio de Janeiro: edições 70, 1992.

6. Canguilhem. G. La formation du concept de réflexe aux xviie et xviiie siècles. Paris: Presses Universitaires de France, 1955.

7. ______. The concept of reflex. In: Delaporte, F. (Ed.). A vital rationalist: selected wrintings from Georges Canguilhem. New York: Zone Books, 2000.

8. ______. O conceito de reflexo no século XIX.

9. In: ______. Estudos de história e de filosofia das ciências. Rio de Janeiro: Forense, 2012.

10. Dummett, M. Truth and other enigmas. Harvard University Press, 1978.

11. Feyerabend, P. K. Against Method. New Left Books, 1975.

12. Fleck, L. La gênesis y el desarrollo de um hecho científico. Madrid: Alianza Editorial, 1986.

13. Hegenberg, L. Definições: Termos teóricos e significado. São Paulo: Cultrix, 1974.

14. Hempel, C. Aspects of Scientific explanation and other essays in the Philosophy of Science.Free Press, 1965.

15. Hull, D. Filosofia da ciência biológica. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1975.

16. Kant, I. Primeiros princípios metafísicos da ciência da natureza. Lisboa: Edições 70, 1990.

17. ______. [1783] O que é o esclarecimento?

18. Koyré, A. Estudos de História do pensamento científico. Brasília: Editora UNB, 1982. 

19. ______. Estudos Galilaicos. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1986.

20. Kuhn, T. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Editora perspectiva, 1994.

21. ______. Science: The history of science. In: Sills, D. L. (Org.). International Encyclopedia of the social sciences. Vol. 14. Nova York: Macmillan, 1968. pp. 74-83.

22. ______. Lógica da descoberta ou Psicologia da pesquisa? In: Lakatos, I.; Musgrave, A. A crítica e o desenvolvimento do conhecimento. São Paulo: Editora Cultrix, 1979a. pp. 05-32.

23. ______. Reflexões sobre os meus críticos.  In: Lakatos, I.; Musgrave, A. A crítica e o desenvolvimento do conhecimento. São Paulo: Editora Cultrix, 1979b. pp. 285-343.

24. ______. A tensão essencial. Lisboa: edições 70, 1989.

25. ______. The Essential Tension. University of Chicago Press, 1977.

26. ______. O caminho desde a estrutura. São Paulo: Editora Unesp, 2006.

27. Lacey, H. Valores e atividade científica. São Paulo: Discurso editorial, 1998.

28. ______. Valores e atividade científica 1. São Paulo: Editora 34, 2008.

29. ______.  Existe uma distinção relevante entre valores cognitivos e sociais? Scientiae Studia. São Paulo, vol. 1, n. 2, 2003. pp. 121-49.

30. ______. O princípio de precaução e a autonomia da ciência. Scientiae Studia. São Paulo, vol. 4, n. 3, 2006. pp. 373-92.

31. ______. Aspectos cognitivos e sociais das práticas científicas. Scientiae Studia. São Paulo, vol. 6, n. 1, 2008a. pp. 83-96.

32. ______. Ciência, respeito à natureza e bem-estar humano. Scientiae Studia. São Paulo, vol. 6, n. 3, 2008b. pp. 297-327.

33. ______.  O lugar da ciência no mundo dos valores e da experiência humana. Scientiae Studia. São Paulo, vol. 7, n. 4, 2009. pp. 681-701.

34. Montaigne, M. Do costume – e de não mudar facilmente uma lei aceita.

35. In: Os Ensaios. Livro I. São Paulo: Martins Fontes, 2002. (pp. 161-197).

36. Nagel, E. La ciencia y el sentido común. In: La estructura de la ciencia. Barcelona: Paidós, 2006 (pp. 17-33).

37. Popper, K. R. A lógica da pesquisa científica. São Paulo: editora Cultrix, 1972.

38. ______. A miséria do historicismo. São Paulo: Cultrix, 1980.

39. ______. A racionalidade das revoluções científicas. In: HARRÉ, Rom. (org).

40. Problemas da revolução científica: Incentivos e obstáculos ao progresso das ciências. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 1976. (pp. 91-113).

41. ______. A ciência normal e seus perigos. In: Lakatos, I.; Musgrave, A.

42. A crítica e o desenvolvimento do conhecimento. São Paulo: Editora Cultrix, 1979. pp. 63-71.

43. Porter, R. O laboratório. In: Das tripas coração: uma breve história da Medicina. Rio de Janeiro: Editora Record, 2004. (pp. 97-124).

44. Putnam, H. Razão, verdade e história. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

45. Rossi, P. O nascimento da ciência moderna na Europa. Premissa e Capítulo 1. Bauru: EDUSC, 2001. (pp. 09-44).

46. Sennett, R. O homem, criador de si mesmo. In: O artífice. Rio de Janeiro: Editora Record, 2009. (pp. 11-26).

Arquivos