Filosofia da Ciência, Epistemologia e o Estatuto da Verdade Científica

Disciplina Opcional

Dados da disciplina

Código: BMQ835

Carga horária: 30 horas

Período: 27/08/2018 a 29/10/2018

Horário: 16:00 às 19:00 - segundas-feiras

Vagas: 20

Descrição

Nesse curso vamos abordar o conceito de ciência e sua relação com a ideia de verdade. “O que é ciência?” é uma pergunta que a própria ciência não consegue responder e que é o tema principal de estudos da Filosofia da Ciência. Iniciaremos discutindo a importância do pensamento lógico, apresentando as falácias mais comuns e estudando a ética da discussão. Discutiremos a visão da ciência enquanto uma curva assintótica até a verdade, conforme sugerido por Sagan, e apresentaremos o texto de Isaac Asimov sobre a evolução de nossa compreensão sobre o formato da Terra desde a Terra plana até o esferoide oblato. A partir disso, retomaremos as ideias de Francis Bacon de que a ciência consiste em generalizações de conceitos básicos. Essa ideia de que a ciência se baseia no indutivismo será criticada por Karl Popper na clássica obra: “A lógica da pesquisa científica”. Continuaremos com Popper para discutir o problema da demarcação entre ciência e pseudociência e outros conceitos, como a ideia dos experimentos cruciais. Em seguida, faremos uma releitura da principal obra de Thomas Kuhn “A estrutura das revoluções científicas” e, também, de sua obra póstuma “O caminho desde a estrutura”, onde entenderemos o que é ser bilíngue em ciências. Discutiremos, assim, os conceitos de força e massa em Newton versus Einstein e o conceito de espécie e especiação em Lamarck e Darwin. Passaremos, então, pela discussão das perspectivas popperianas versus kuhnianas através da visão do epistemólogo húngaro Imre Lakatos, quando discutirmos os conceitos de honestidade intelectual, falseacionismo, programas de pesquisa e núcleos duros conceituais. Até esse momento, o curso terá tomado um viés racionalista. A partir daí será o momento de abordarmos as questões trazidas por outras linhas da história intelectual que irão questionar a fundamentação da própria linguagem enquanto representativa da realidade do mundo. O pensamento pós-modernista será, então, abordado através das ideias da teoria literária de Jacques Derrida, Umberto Eco, Roland Barthes e outros. Estudaremos a distinção entre nômeno/fenômeno em Kant e criticaremos a noção de verdade científica. A virada linguística será tratada na releitura da Tese Duhem-Quine e na discussão sobre “O que de fato se refuta quando se refuta uma teoria científica?”, onde discutiremos a ideia da ciência enquanto linguagem e dos clusters conceituais. Faremos a oposição do “contexto da descoberta” versus o “contexto da justificativa” e citaremos exemplos da história da ciência, focando principalmente em Lamarck, Wallace, Mendel e Margulis. Terminaremos estudando as ideias do epistemólogo pragmatista e atual professor da Universidade do Texas, Larry Laudan. A ciência avança e resolve problemas; e isso basta. As últimas 3 aulas serão dedicadas à apresentações dos alunos sobre temas relacionados às discussões.

Cronograma

Aula 1 (27/08): Introdução à lógica, à filosofia da ciência, falácias e ética da discussão.

Texto: Asimov, curva assintótica da verdade.

Texto: Carl Sagan, Mundo Assombrado Capítulo 2.

 

Aula 2 (03/09): O pensamento popperiano: Karl Popper e o problema da demarcação.

Texto: Popper, A lógica da pesquisa científica (Capítulo 1).

 

Aula 3 (10/09): Thomas Kuhn e os paradigmas científicos: ciência normal, crises e o bilíngue.

Texto: A estrutura das revoluções científicas (Capítulo 1).

Texto: O caminho desde a estrutura (Prefácio).

 

Aula 4 (17/09): O pensamento Lakatosiano (honestidade intelectual, programas de pesquisa, núcleos conceituais).

Texto: História da ciência e suas reconstruções racionais (Capítulo 1).

Texto: Falsificação e a metodologia dos programas de pesquisa (Capítulo 1).

 

Aula 5 (24/09): História do pós-modernismo: arte, intelectualidade e crítica à visão científica do mundo.

Texto: A definir.

 

Aula 6 (01/10): O pragmatismo de Larry Laudan.

Texto: A definir.

 

Aula 7 (08/10): Filosofia da biologia: darwinismo e a origem da vida.

Texto: Os dois dogmas da origem da vida.

Texto: FUCA, o mais antigo ancestral do LUCA. 

 

Aula 8 (15/10): Apresentação dos trabalhos pelos alunos.

 

Aula 9 (22/10): Apresentação dos trabalhos pelos alunos.

 

Aula 10 (29/10): Apresentação dos trabalhos pelos alunos e confraternização.

Requisitos

Nenhum.

Estrutura do Curso

Aulas Teóricas.

Forma de Avaliação

Apresentação de trabalhos e condução de textos.

Bibliografia

1. Bachelard, G (1938). A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento.

2. Barthes, R. A aventura semiológica.

3. Bloor, D. Conhecimento e imaginário social.

4. Descartes, R. O discurso do método.

5. Eco, U. Os limites da interpretação.

6. Jacob, F. A lógica da vida.

7. Kuhn, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas.

8. Kuhn, Thomas S. O caminho desde a estrutura.

9. Lakatos, I. Falsificação e metodologia dos programas de investigação científica.

10. Lakatos, I. História da ciência e suas reconstruções racionais.

11. Laudan, L. O progresso e seus problemas.

12. Newton, I. Principia.

13. Popper, Karl. Conhecimento Objetivo.

14. Prosdocimi, F. Trago de filosofia (vários textos).

15. Sagan, C. O mundo assombrado pelos demônios.

16. Schoppenhauer, A. Como Vencer um Debate Sem Precisar Ter Razão.

Arquivos